Lançamento do livro “Diário de Myriam” no Museu do Amanhã

lançamento do livro “Diário de Myriam” no Museu do Amanhã

 

O jornalista e correspondente de guerra francês Philippe Lobjois esteve no Museu do Amanhã, no dia 3 de julho, para um debate e lançamento do livro “O Diário de Myriam”, do qual é coautor ao lado da síria Myriam Rawick. A obra se aprofunda no dia a dia da Myriam, uma menina de 13 anos, durante a guerra da Síria e foi escrita no período de novembro de 2011 e dezembro de 2016. 

 

O tema dos refugiados no Brasil e no mundo está entre os assuntos de maior atenção para o Museu do Amanhã, que trata a questão da Convivência como eixo programático
ao lado de Sustentabilidade. Para o Museu do Amanhã, tão importante quanto cuidar do planeta é discutir como queremos conviver uns com os outros, e desde a sua inauguração em dezembro de 2015, o Museu vem dedicando importante destaque ao tema.

 

Em 2016, a instituição promoveu o seminário Vozes do Refúgio: dados globais, olhares locais, recebendo especialistas da área e refugiados de diferentes regiões. Em 2017, o assunto foi destaque, mais uma vez, na palestra Na Rota dos Refugiados. Na ocasião, foram abordadas a situação dos campos de refugiados da Europa e Oriente Médio e a forma com que pessoas nesta situação vêm sendo recebidos no Brasil. A programação foi seguida pela segunda edição do seminário Vozes do Refúgio, realizada em junho, em parceria com a Agência das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR); e da abertura da exposição Vidas Deslocadas. A mostra, que ficou em cartaz de junho a setembro de 2017, apresentou, por meio de cenografia, textos e fotos, algumas das causas do refúgio ambiental e o drama de indivíduos que vivem o problema em diversas partes do mundo.

 A vista do jornalista ao Brasil foi um convite da DarkSide Books, do Fli Araxá e do Sempre Um Papo.

 

Sobre o livro

“Meu nome é Myriam, eu tenho 13 anos. Cresci em Jabal Saydé, o bairro de Alepo onde nasci. Um bairro que não existe mais”. “O Diário de Myriam” é um registro comovente e verdadeiro sobre a guerra civil Síria. Escrito em colaboração com o jornalista francês Philippe Lobjois, que trabalhou ao lado de Myriam para enriquecer as memórias que ela coletou em seu diário, o livro descortina o cotidiano de uma comunidade de minoria cristã que sofre com o conflito através dos olhos de uma menina.

 

Sobre Myriam Rawick

Myriam Rawick começou a escrever em seu diário aos oito anos de idade. Seus registros sobre a Guerra da Síria compreendem o período entre novembro de 2011 e dezembro de 2016. Refugiada em sua própria cidade, Myriam viu seu lar ser devastado e conta como Alepo, uma das cidades mais antigas do mundo, foi destruída num piscar de olhos. Desde o fim das hostilidades em sua cidade natal, Myriam voltou para lá apenas uma vez. Ainda assim, algumas coisas continuam iguais: ela segue escrevendo sobre sua vida em seu diário.

 

Sobre Philippe Lobjois

Philippe Lobjois é um repórter de guerra francês e autor de diversos livros. Estudou ciências políticas em Paris e já cobriu o Conflito Karen, a Guerra do Kosovo e a Guerra do  Afeganistão. Quando a Guerra da Síria eclodiu, ele decidiu ir até a cidade de Alepo, onde descobriu a história de Myriam. Após um mês vendo de perto o caos provocado pela guerra, ele conseguiu localizá-la e, juntos, trabalharam para revelar sua história ao mundo.